Arquivo da tag: sofrimento

Fé e Eternidade (Jr. 1:5)

בְּטֶרֶם אֶצָּרְךָ בַבֶּטֶן יְדַעְתִּיךָ וּבְטֶרֶם תֵּצֵא מֵרֶחֶם הִקְדַּשְׁתִּיךָ נָבִיא לַגּוֹיִם נְתַתִּיךָ

“Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta.” (Yirmiyahu/Jeremias 1:5)

Desde antes de você ser concebido, moldado, e do aspecto de seu espírito que é imagem do Eterno ser revestido de um corpo de carne, o Eterno já tinha planos para você. É comum ter dificuldade de enxergar o todo, pois nossa mente carnal consegue apenas se focar no presente, e mesmo a visão do passado e do futuro são limitadas. E se isso é verdadeiro quanto à essa existência, quanto mais quanto à eternidade. Tudo que você passou, passa, e passará é por um propósito. Tudo tem um motivo, e nada é por acaso. No presente pode haver dúvida, incerteza, insegurança ou mesmo tristeza. São sentimentos normais e plenamente naturais. Porém, o Eterno tem em vista muito mais do que o presente. Você está sendo moldado, cuidado e pensado, em um plano perpétuo, que tem milhares de milhares de épocas, e cujo tempo presente é apenas um grão de areia na imensidão. Essa percepção também é importante para despertar a fé verdadeira, porque essa fé é muito mais do que confiar no Eterno quanto a livrar de uma angústia presente. É a confiança de que Ele concebeu a evolução, de eternidade em eternidade, num plano que tem tão somente o nosso melhor em vista.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Odiado sem razão (Jr. 15:10)

אוֹי-לִי אִמִּי–כִּי יְלִדְתִּנִי אִישׁ רִיב וְאִישׁ מָדוֹן לְכָל-הָאָרֶץ לֹא-נָשִׁיתִי וְלֹא-נָשׁוּ-בִי כֻּלֹּה מְקַלְלַוְנִי

“Ai de mim, ó minha mãe, que me geraste, para tornar-se objeto de disputa e de discórdia em toda a terra! Não sou credor nem devedor, e, no entanto, todos me maldizem.” (Yirmiyahu/Jeremias 15:10)

Ser odiado sem razão é tão doloroso, que até o profeta do Eterno sofria com isso. Todavia, se você se coloca numa posição de agir somente em retidão, de não se corromper, não se vender aos valores deste mundo, nem se deixar levar por suas distorções, é quase certo que em dado momento será odiado. Talvez tanto quanto, ou até mais, do que o profeta. A dor do ódio infundado não é um sofrimento gratuito. Ela só se torna suportável quando criamos um vínculo fortíssimo com o Criador, que nos permite encarar a adversidade e não cair. Esse vínculo é o objetivo principal do sofrimento. Ele permitirá que grandes coisas sejam feitas para que a obra do mundo vindouro seja fundamentalmente sustentada em retidão. Para que a construção seja perfeita, os obreiros precisam ser fortes. E para que sejam fortes, precisam ser depurados. Quando estiver sofrendo, lembre-se disso: O sofrimento é passageiro, mas a experiência adquirida irá fundamentar a eternidade.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Senhor de toda a carne (Jr. 32:27)

הִנֵּה אֲנִי יהוה אֱלֹהֵי כָּל-בָּשָׂר–הֲמִמֶּנִּי יִפָּלֵא כָּל-דָּבָר

“Eis que Eu sou ADONAY, o Elohim de toda a carne; acaso haveria alguma coisa demasiado difícil para mim?” (Yirmiyahu/Jeremias 32:27)

O Eterno aqui se apresenta como o “Elohim de toda carne”. O termo “Elohim” tem conotação de autoridade absoluta. Em outras palavras, Ele é Senhor sobre tudo o que vive, e tudo o que há neste mundo. Há religiões que entendem que o mundo é governado por outras entidades. No entanto, no monoteísmo da Bíblia Hebraica, não há outro além dEle que tenha autoridade para se assenhorar de Sua criação. A importância disso vai além da mera teologia: É importante compreender que nada do que você esteja passando foge ao controle dEle. Mesmo as experiências negativas, adversidades e outros têm por objetivo o seu aprimoramento, não apenas para ser uma pessoa melhor nesta vida, mas também para se tornar aquilo que Ele precisa para sua obra no mundo vindouro.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Confiando no Condutor (Ex. 13:17)

וַיְהִי בְּשַׁלַּח פַּרְעֹה אֶת-הָעָם וְלֹא-נָחָם אֱלֹהִים דֶּרֶךְ אֶרֶץ פְּלִשְׁתִּים כִּי קָרוֹב הוּא כִּי אָמַר אֱלֹהִים פֶּן-יִנָּחֵם הָעָם בִּרְאֹתָם מִלְחָמָה–וְשָׁבוּ מִצְרָיְמָה

“E aconteceu que, quando Faraó deixou ir o povo, Elohim não os levou pelo caminho da terra dos filisteus, que estava mais perto; porque Elohim disse: Para que porventura o povo não se arrependa, vendo a guerra, e volte ao Egito.” (Shemot/Êxodo 13:17)

Nossos antepassados precisaram fazer o caminho mais longo, porque não estavam preparados para ver a guerra. Talvez, contudo, alguns deles tenham se indagado quanto ao porquê de tomarem o caminho mais longo. O mesmo frequentemente acontece conosco. Em diversas circunstâncias, o Eterno nos conduz pelo caminho mais longo. Muitas vezes passamos as noites em claro, e pranteamos, porque não entendemos a razão do prolongamento de nosso sofrimento. No entanto, a razão frequentemente está no fato de que o Eterno está nos preparando, ou mesmo preparando as circunstâncias ao redor de nós, para por fim nos conduzir da melhor maneira. Nesses momentos, é importante ter fé, e confiar no Eterno. Mesmo quando o caminho é pavimentado por incertezas. No momento certo, Moshé (Moisés) esclareceu as razões do Eterno, de modo que as gerações vindouras conseguem, hoje, compreender as razões do Eterno. O mesmo ocorrerá conosco. No momento certo, o Eterno nos fará conhecer o porquê de nos conduzir por caminhos aparentemente longos e tortuosos.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Agindo como Faraó (Ex. 8:8)

וַיֵּצֵא מֹשֶׁה וְאַהֲרֹן מֵעִם פַּרְעֹה וַיִּצְעַק מֹשֶׁה אֶל-יהוה עַל-דְּבַר הַצְפַרְדְּעִים אֲשֶׁר-שָׂם לְפַרְעֹה

“E Faraó chamou a Moshé e a Aharon, e disse: Rogai a ADONAY que tire as rãs de mim e do meu povo; depois deixarei ir o povo, para que sacrifiquem a ADONAY.” (Shemot/Êxodo 8:8)

Não é comum que as pessoas se identifiquem com os personagens que são caracterizados negativamente pelas Escrituras. No entanto, é muito comum encontrar pessoas que agem exatamente como o Faraó. No momento da dificuldade, fazem inúmeras promessas ao Criador, tentando negociar por algo favorável. Porém, afastada a dificuldade, esquecem-se de seus compromissos anteriores, até que surja a próxima dificuldade. Observar o desfecho de Faraó nos ajuda a compreender o que o Eterno pensa a respeito de tal atitude. A fidelidade do justo não deve estar vinculada ao seu grau de sofrimento. Deve ser um ato contínuo, uma trajetória de vida, como no caso de Moshé (Moisés). O justo fiel será amparado pelo Eterno durante suas tribulações.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

O Fator Tempo (Ex. 12:30)

וַיָּקָם פַּרְעֹה לַיְלָה הוּא וְכָל-עֲבָדָיו וְכָל-מִצְרַיִם וַתְּהִי צְעָקָה גְדֹלָה בְּמִצְרָיִם כִּי-אֵין בַּיִת אֲשֶׁר אֵין-שָׁם מֵת

“E Faraó levantou-se de noite, ele e todos os seus servos, e todos os egípcios; e fez-se grande clamor no Egito, porque não havia casa em que não houvesse um morto.” (Shemot/Êxodo 12:30)

Faraó finalmente se levanta, no meio da noite, para resolver a crise. O Egito se encontrava humilhado, e derrotado perante aquele povo que outrora escravizara. Faraó poderia ter evitado tudo aquilo, mas deixou para tomar a decisão necessária quando já não tinha mais alternativa. Assim às vezes é conosco. Sabemos o que temos que fazer. Sabemos que não há outra alternativa. Mas, postergamos até não podermos mais. Infelizmente, o resultado disso quase sempre é sofrimento desnecessário. Não ignore os sinais do Eterno, nem tenha medo de dar o passo certo, no momento certo, mesmo que signifique sair de sua zona de conforto.

© 5775 – Qol haTorah (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Israel é Desprezado (Is. 53:3)

נִבְזֶה וַחֲדַל אִישִׁים אִישׁ מַכְאֹבוֹת וִידוּעַ חֹלִי וּכְמַסְתֵּר פָּנִים מִמֶּנּוּ נִבְזֶה וְלֹא חֲשַׁבְנֻהוּ

“Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.” (Yeshayahu/Isaías 53:3)

O texto de Yeshayahu (Isaías) se refere a Israel, e ao sofrimento e perseguição que sofreria no exílio. Desde aqueles tempos, Israel tem sido desprezado, rejeitado e humilhado entre as nações. Estamos às voltas disso acontecer mais uma vez. É preciso ser forte, e saber que assim como foi profetizado sobre a rejeição que Israel sofreria, uma profecia que se cumpre há milênios, também semelhantemente foi profetizado que Israel ainda verá os frutos do seu trabalho, e que será justificado perante as nações. Porque o Eterno, por amor do Nome dEle, irá nos resgatar de nossos opressores. Portanto, é hora de ser forte, e clamar ao Criador, pois Ele é o único capaz de nos salvar de nossos inimigos.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Bem, Mal e Eternidade (Is. 45:7)

יוֹצֵר אוֹר וּבוֹרֵא חֹשֶׁךְ עֹשֶׂה שָׁלוֹם וּבוֹרֵא רָע אֲנִי יהוה עֹשֶׂה כָל-אֵלֶּה

“Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; Eu, YHWH, faço todas estas coisas.” (Yeshayahu/Isaías 45:7)

Durante a 2a. Guerra, um paraquedista quebrou o pescoço sem perceber. Ao cair, foi preso por nazistas, que o colocaram num cubículo onde permaneceu semanas deitado. Isso permitiu a seu pescoço se recuperar da fratura. Caso não tivesse sido preso, o ato de se movimentar muito teria feito com que ficasse paralítico ou mesmo morresse. A prisão foi, na realidade, sua salvação. Mas, ele só descobriu isso décadas depois, quando um raio-X revelou o ocorrido. Uma das razões pelas quais religiões dualistas surgiram está na dificuldade de atribuir a origem do mal (no sentido de destruição) ao Eterno. Para alguns, é preferível crer num segundo deus, tal como o diabo, e projetar sobre ele tais coisas. Mas o Tanakh é categórico: O Eterno é o único Elohim. Contudo, como na história do paraquedista, bem e mal são relativos, e nossa capacidade de enxergar é muito limitada. Nossas vidas são grãos de areia na eternidade. O sofrimento pelo qual passamos um dia se revelará como um grande bem no plano geral do Criador, e será como o nada, diante da grandiosidade objetivos dEle para nós, que contemplam toda a Eternidade.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Ser Usado (Et. 2:7)

וַיְהִי אֹמֵן אֶת-הֲדַסָּה הִיא אֶסְתֵּר בַּת-דֹּדוֹ–כִּי אֵין לָהּ אָב וָאֵם וְהַנַּעֲרָה יְפַת-תֹּאַר, וְטוֹבַת מַרְאֶה וּבְמוֹת אָבִיהָ וְאִמָּהּ לְקָחָהּ מָרְדֳּכַי לוֹ לְבַת
“Este criara a Hadassa (que é Ester, filha de seu tio), porque não tinha pai nem mãe; e era jovem bela de presença e formosa; e, morrendo seu pai e sua mãe, Mordekhai a tomara por sua filha.” (Ester 2:7)

Hadassa (Ester) havia sofrido muito, ao longo de sua vida. Tendo ficado órfã, precisou ser adotada por seu tipo, Mordekhai (Mardoqueu). Hadassa, porém, viria a se tornar a rainha do Reino da Pérsia, e teria papel decisivo em livrar os judeus da morte, e mudar a sua sorte. Isso não é coincidência. O sofrimento muitas vezes suaviza o caráter e nos torna sensíveis à realidade das pessoas à nossa volta. É quase certo afirmar que aquele que coloca em seu coração que quer ser usado pelo Criador passará primeiro por grande sofrimento. Frequentemente, quando prepara alguém para algum papel especial, o Eterno o faz primeiro conhecer o sofrimento como uma escola, para que o aprendizado possa capacitar a pessoa a ser usada da maneira que Ele deseja.

© 2013 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Dor e Mudança (Ex. 14:12)

הֲלֹא-זֶה הַדָּבָר אֲשֶׁר דִּבַּרְנוּ אֵלֶיךָ בְמִצְרַיִם לֵאמֹר חֲדַל מִמֶּנּוּ וְנַעַבְדָה אֶת-מִצְרָיִם: כִּי טוֹב לָנוּ עֲבֹד אֶת-מִצְרַיִם מִמֻּתֵנוּ בַּמִּדְבָּר

“Não é esta a palavra que te falamos no Egito, dizendo: Deixa-nos, que sirvamos aos egípcios? Pois que melhor nos fora servir aos egípcios, do que morrermos no deserto.” (Shemot/Êxodo 14:12)

Muito rapidamente o povo de Israel se esqueceu do sofrimento que havia passado no Egito, pois o que mais o angustiava era a situação presente de encarar o deserto. Muitas vezes, queremos voltar a padrões anteriores, porque rapidamente nos esquecemos do quanto sofrermos. Confie no Eterno, não apenas na sua capacidade de nos sustentar nas adversidades, mas também no fato de que Ele tem razões para nos tirar de onde estávamos.

© 2013 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.