Arquivo da tag: paz

Paz e shalom (Sl. 4:9)

בְּשָׁלוֹם יַחְדָּו אֶשְׁכְּבָה וְאִישָׁן כִּי-אַתָּה יהוה לְבָדָד לָבֶטַח תּוֹשִׁיבֵנִי

“Em paz também me deitarei e dormirei, porque só tu, ADONAY, me fazes habitar em segurança.” (Tehilim/Salmos 4:9) (4:8* em algumas Bíblias)

Geralmente as Bíblias traduzem shalom como paz. Contudo, a paz que pensamos hoje, no Ocidente do século XXI, é muito diferente do que se chamava de shalom nos tempos bíblicos. Costumamos pensar em paz como tranquilidade e paz de espírito. Para os semitas, porém, ter shalom significava ter plenitude. Era ter a certeza de que teriam alimento ao fim da colheita, e que suas terras não seriam invadidas, que sua posteridade seria próspera e que teriam segurança. Não era necessariamente ter tranquilidade a todo momento, mas sim a certeza de que o Eterno lhes daria provisão de todas as coisas. Talvez você tenha dias angustiantes, estressantes e cansativos. Mas aquele que serve ao Eterno tem a certeza e a segurança de que Ele tomará conta de todas as coisas. Se pensarmos em tudo que já nos ocorreu, mesmo em meio à tribulação, podemos ter a certeza de que Ele nos dará plenitude, e que a plenitude nos conduzirá à paz.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Paz de Espírito (Sl. 29:11)

יהוה–עֹז לְעַמּוֹ יִתֵּן יְהוָה, יְבָרֵךְ אֶת-עַמּוֹ בַשָּׁלוֹם

“ADONAY dará força ao seu povo; ADONAY abençoará o seu povo com paz.” (Tehilim/Salmos 29:11)

Talvez você esteja hoje precisando de paz de espírito. Talvez você esteja hoje perplexo diante dos desafios e das dores da vida. Talvez você esteja se perguntando até quando. Que seja o Eterno a sua força e o seu apoio. Procure focar nEle por alguns minutos, e se permita deixar a sua mente livre de todas as coisas por alguns instantes. Só por alguns instantes, permita que Ele te conceda a paz. Uma pequena semente de paz pode fazer toda a diferença quanto aos frutos do futuro, pois nEle encontraremos a força para vencer as adversidades.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Conflito e Paz (Dt. 20:10)

כִּי-תִקְרַב אֶל-עִיר לְהִלָּחֵם עָלֶיהָ–וְקָרָאתָ אֵלֶיהָ לְשָׁלוֹם

“Quando te achegares a alguma cidade para combatê-la, apregoar-lhe-ás a paz.” (Debharim/Deuteronômio 20:10)

Mesmo em situação de guerra, a Torá determina que primeiramente se esgotem as possibilidades relativas à paz. Analogamente, há situações em nossas vidas nas quais as soluções pacíficas se tornam inviáveis. No entanto, devemos esgotar primeiro todas as possibilidades de solução pacífica. Entregar-se à contenda de imediato pode ser precipitado, se antes não tentarmos uma via não-conflituosa. Há momentos em que precisamos ser firmes e nos defendermos perante um conflito. Porém, buscar primeiro a paz é uma grande virtude.

© 5775 – Qol haTorah (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Guerra e Paz (1 Cr. 28:3)

וְהָאֱלֹהִים אָמַר לִי לֹא-תִבְנֶה בַיִת לִשְׁמִי כִּי אִישׁ מִלְחָמוֹת אַתָּה וְדָמִים שָׁפָכְתָּ

“Porém Elohim me disse: Não edificarás casa ao meu nome, porque és homem de guerra, e derramaste muito sangue.” (Divrê haYamim Alef/1 Crônicas 28:3)

As guerras lutadas por Dawid, de um modo geral, foram apoiadas pelo Eterno. Como compreender, portanto, que o Eterno tenha impedido Dawid de construir a Sua Casa? A realidade é que o livre arbítrio da humanidade trouxe ao mundo inúmeros problemas. Muitas vezes, a Torah age para impedir que o problema seja ainda maior. Nem sempre, todavia, devemos confundir isso como o ideal do Eterno. O Eterno não deseja o homicídio, mas prevê formas de resolver a situação. Semelhantemente é com guerras. Nada disso faz parte do desejo do Eterno, e sim da teimosia e da crueldade humana. O Eterno não condenou Dawid porque sabia que as guerras eram inevitáveis, ou o povo de Israel teria sido destruído. Mas, fez questão de demonstrar que esse não era o seu desejo. Estar a serviço do Criador é, acima de tudo, almejar a paz.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.