Arquivo da tag: jejum

Preparo e Libertação (Especial Jejum de Ester)

לֹא-הִגִּידָה אֶסְתֵּר אֶת-עַמָּהּ וְאֶת-מוֹלַדְתָּהּ כִּי מָרְדֳּכַי צִוָּה עָלֶיהָ אֲשֶׁר לֹא-תַגִּיד

“Ester, porém, não declarou o seu povo e a sua parentela, porque Mardoqueu lhe tinha ordenado que o não declarasse.” (Ester 2:10)

A Diáspora não é confortável. Muitos de nós, ao lidarmos com terceiros, ficamos um pouco como Ester. Isto é, sem declarar que somos judeus, e até mesmo constrangidos de que alguém possa nos indagar muito a respeito. Nessas horas, o que fazer? A resposta é: Concentrarmos em retornarmos aos caminhos do Criador, aprimorando nossas vidas a cada dia, em preparação para o momento de Sua redenção. Assim como Ester se preparou, e suportou as adversidades, até a libertação do povo, assim também virá a nossa libertação, tanto individual, quanto coletiva.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Vidas Quebrantadas (Especial Tish’a BeAv)

בְּנֵי צִיּוֹן הַיְקָרִים הַמְסֻלָּאִים בַּפָּז אֵיכָה נֶחְשְׁבוּ לְנִבְלֵי-חֶרֶשׂ מַעֲשֵׂה יְדֵי יוֹצֵר

“Os preciosos filhos de Siyon, avaliados a puro ouro, como são agora reputados por vasos de barro, obra das mãos do oleiro!” (Ekha/Lamentações 4:2)

Diferentemente do ouro, precioso e permanente, o barro é passageiro, e frágil. Os filhos de Israel seriam quebrantados pelo Eterno, como o oleiro que refaz sua obra. O processo de ter sua vida quebrantada, para ser refeita de forma a estar mais alinhada com a vontade do Criador é doloroso, árduo, e difícil. E exige profunda reflexão sobre onde devemos rever nossas atitudes e nossas escolhas. Todavia, o objetivo do Criador não é nos destruir, e sim nos purificar. Ele permite que soframos, porque Ele nos ama, e quer o melhor para o Seu povo.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Perseguição e Lágrimas (Especial do Jejum de Ester)

וּבְכָל-מְדִינָה וּמְדִינָה מְקוֹם אֲשֶׁר דְּבַר-הַמֶּלֶךְ וְדָתוֹ מַגִּיעַ–אֵבֶל גָּדוֹל לַיְּהוּדִים וְצוֹם וּבְכִי וּמִסְפֵּד שַׂק וָאֵפֶר יֻצַּע לָרַבִּים
“Nas províncias, em todo lugar aonde chegaram a ordem e o decreto reais, havia entre os judeus luto, jejum, lágrimas e lamentações. O pano de saco e a cinza tornaram-se o leito de muitos.” (Ester 4:3)

Hoje é costume jejuar para lembrar do jejum feito por Hadassa (Ester) em prol do povo. A realidade dos judeus é esta: Onde quer que estiverem, serão perseguidos. Tanto que no ato de uma conversão, sempre se torna o candidato ciente disso. Diante disso, temos duas alternativas: culparmos o destino e nos lamentarmos, ou nos arrependermos diante do Eterno, buscarmos a Sua justiça, e nos defendermos ativamente. Como pedir ao Eterno que nos defenda, se nós não tomarmos a atitude de buscarmos a Sua justiça, e buscarmos nos defender de nossos agressores?

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.