Arquivo da tag: integridade

A Importância da Integridade (Pv. 28:18)

הוֹלֵךְ תָּמִים יִוָּשֵׁעַ וְנֶעְקַשׁ דְּרָכַיִם יִפּוֹל בְּאֶחָת

“O que caminha na integridade, será salvo; quem seguir por caminhos tortuosos cairá no fosso.” (Mishlê/Provérbios 28:18)

Uma das coisas mais importantes de tomarmos cuidado é a nossa integridade, que é algo que não tem preço. Os servos do Altíssimo nisto são reconhecidos: Permanecem na integridade a todo instante. Por si só, a integridade já seria extremamente importante, pois um bom nome, reto e íntegro, é uma grande virtude a ser reconhecida. Mas, além disso, há sabedoria também na compreensão de que, quando o íntegro de coração clama ao Eterno, Ele o livrará de todo o mal.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Palavra e Compromisso (Nm. 30:2)

וַיְדַבֵּר מֹשֶׁה אֶל-רָאשֵׁי הַמַּטּוֹת לִבְנֵי יִשְׂרָאֵל לֵאמֹר זֶה הַדָּבָר אֲשֶׁר צִוָּה יהוה

“Quando um homem fizer voto a ADONAY, ou fizer juramento, ligando a sua alma com obrigação, não violará a sua palavra: segundo tudo o que saiu da sua boca, fará.” (Bamidbar/Números 30:2)

É impossível servir ao Eterno sem antes tratar de uma questão importante: O compromisso com a palavra. Infelizmente, esse é um dos aspectos mais iníquos da cultura brasileira: As pessoas se acostumam a dizer coisas vãs. Até em situações triviais como: ‘Vamos tomar um café semana que vem.’ Sem a menor expectativa de que isso gere qualquer tipo de compromisso. O problema é que é nessas pequenas coisas que se acostuma a não fazer o que é dito. Nisso se vê o quanto o brasileiro se sente desobrigado de sua própria palavra – o que, muitas vezes, é um choque para alguns estrangeiros. Se você não sente, não diga. Se não pensa, não profira. Se não está comprometido, não afirme. Sem uma mudança radical de atitude quanto ao compromisso com o que se diz, como será possível agradar o Criador? Faça das suas palavras a verdade de suas atitudes, e a luz do Altíssimo brilhará em ti.

© 5775 – Qol haTorah (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Integridade e Prioridade (Pv. 21:3)

עֲשֹׂה צְדָקָה וּמִשְׁפָּט– נִבְחָר לַיהוָה מִזָּבַח

“Fazer justiça e juízo é mais aceitável a ADONAY do que sacrifício.” (Mishlê/Provérbios 21:3)

A ritualística da Torá é bastante completa e sofisticada, e objetiva nos manter conscientes do Criador a todo tempo. Todavia, os ritos existem por nossa causa, isto é, pela necessidade que o ser humano tem de algo concreto para conseguir direcionar sua mente e seu coração ao Eterno. No entanto, não devemos nos iludir em direcionar nossos principais esforços a tais coisas, sem contudo nos ocuparmos de moldar nosso caráter, integridade e amorosidade. Sem isso, qualquer outra coisa se torna absolutamente vazia, e até mesmo desnecessária. Esse é o sentido da recomendação de Mishlê (Provérbios).

© 5775 – Qol haTorah (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Integridade e Jeitinho (Gn. 25:31)

וַיֹּאמֶר יַעֲקֹב מִכְרָה כַיּוֹם אֶת-בְּכֹרָתְךָ לִי

“Então disse Ya`aqov: Vende-me hoje a tua primogenitura.” (Bereshit/Gênesis 25:31)

A maioria das mensagens e estudos sobre esta passagem foca no desprezo de `Essaw (Esaú) por sua primogenitura. Embora isso seja verdade, existe também um outro lado da moeda. Ya`aqov (Jacó) se aproveitou do desespero de seu irmão para tirar vantagem. E teve uma vida bastante difícil como consequência. Valer-se do momento de fraqueza do outro para obter vantagem pessoal é proibido pela Torá. Mesmo se o outro for iníquo. A Torá nos ensina que nossas ações devem ser íntegras sempre, e não apenas quando o outro é bonzinho ou correto. O que é certo ou errado o é sempre, e não dependendo de a quem se faz. Ya`aqov (Jacó) poderia, ao invés de se aproveitar de seu irmão, ter confiado no Eterno. Da mesma forma conosco: A justiça do Eterno não precisa de jeitinho. Concentre-se em ser íntegro, e Ele fará o resto.

© 5775 – Qol haTorah (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Direito e Justiça (Is. 10:1)

הוֹי הַחֹקְקִים חִקְקֵי-אָוֶן וּמְכַתְּבִים עָמָל כִּתֵּבוּ

“Ai dos que decretam leis injustas, e dos escrivães que prescrevem opressão.” (Yeshayahu/Isaías 10:1)

Para justificar suas ações, muita gente diz: “É meu direito!” Contudo, o direito humano, por mais que seja de fundamental importância, não pode estar acima do bem e do mal. Nessa advertência de Yeshayahu (Isaías), Israel estava utilizando o direito para prejudicar os menos favorecidos. Quando o direito humano falha em seu dever de ser íntegro, a ira do Criador se desperta. Não podemos nos esconder atrás do direito, de regras, ou de regulamentos para justificar ações imorais. Especialmente quando elas ferem o próximo. Não incorramos na ira do Criador. Mas, se defendermos a justiça mesmo quando ela vai contra o direito, teremos o Seu favor, e seremos como profetas de sua justiça onde estivermos.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Escolhas (2 Rs. 16:2)

בֶּן-עֶשְׂרִים שָׁנָה אָחָז בְּמָלְכוֹ וְשֵׁשׁ-עֶשְׂרֵה שָׁנָה מָלַךְ בִּירוּשָׁלִָם; וְלֹא-עָשָׂה הַיָּשָׁר בְּעֵינֵי יְהוָה אֱלֹהָיו–כְּדָוִד אָבִיו

“Tinha AHaz vinte anos de idade quando começou a reinar, e reinou dezesseis anos em Yerushalayim, e não fez o que era reto aos olhos de YHWH seu Elohim, como Dawid, seu pai.” (Melakhim Bet/2 Reis 16:2)

AHaz (Acaz) teve um pai reto, e vinha da família de Dawid (Davi). No entanto, isso não foi suficiente para assegurar que ele andasse nos caminhos do Criador. Termos uma boa criação, e nos cercarmos de pessoas íntegras é sempre salutar, e nos ajudar a termos valores retos. Todavia, no fim, existem as nossas escolhas. Devemos ter cuidado, para que não nos sintamos retos demais e nos percamos em nossas escolhas. Até alguém com valores fortes pode ser desviado caso siga seus desejos sem medida.

© 2013 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

A Dor da Ingratidão (Ex. 17:4)

וַיִּצְעַק מֹשֶׁה אֶל-יְהוָה לֵאמֹר מָה אֶעֱשֶׂה לָעָם הַזֶּה; עוֹד מְעַט וּסְקָלֻנִי

““E clamou Moshe a YHWH, dizendo: Que farei a este povo? Daqui a pouco me apedrejará.” (Shemot/Êxodo 17:4)

Uma das coisas mais dolorosas que existem é fazer o bem, e em troca receber agressões. Chega a chocar quando lemos que, depois de tudo que Moshe (Moisés) fez, o povo estava prestes a apedrejá-lo. Infelizmente, nem sempre o bem que praticamos é recebido da forma que desejamos. Assim como ocorreu com Moshe (Moisés), porém, que lutou até o fim de sua vida para nos ensinar a vivermos uma vida íntegra, assim também isso não deve nos desanimar de fazermos o bem e vivermos em integridade. No fim, o Eterno conhece todas as coisas.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Desejos (1 Rs. 11:4)

“Porque sucedeu que, no tempo da velhice de Shlomo, suas mulheres lhe perverteram o coração para seguir outros elohim; e o seu coração não era perfeito para com YHWH seu Elohim, como o coração de David, seu pai,” (Melachim Alef/1 Reis 11:4)

Shlomo (Salomão) inicia sua vida bastante comprometido com o Eterno. Shlomo (Salomão) compôs salmos, e provérbios, e ainda edificou o Templo. Mesmo assim, Shlomo (Salomão) acabou sucumbindo à idolatria. Porque Shlomo (Salomão) deixou de lado um aspecto da Torah (Instrução) do Eterno, em nome de suas paixões. É preciso tomar cuidado com desejos que nos lançam na direção contrária à Torah (Instrução). Procurar justificá-los ao invés de buscar viver uma vida íntegra pode, aos poucos, nos distanciar completamente do Eterno.

© 2013 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.