Arquivo da tag: gratidão

O Poder da Gratidão (Sl. 136:1)

הוֹדוּ לַיהוָה כִּי-טוֹב כִּי לְעוֹלָם חַסְדּוֹ

“Louvai a ADONAY, porque ele é bom; porque a sua benignidade dura para sempre.” (Tehilim/Salmos 136:1)

Não é por acaso que esse salmo se encontra nas Escrituras. Se formos refletir bem, o Eterno em Sua glória não necessita de nossa gratidão. Mesmo assim, Ele nos ensina a sermos gratos – lição essa que também é transmitida pelo salmista e pelos nossos sábios. A razão é simples: A gratidão é uma força extraordinária, que demonstra o valor que damos àquilo que recebemos de bom grado. Aquele que expressa sua gratidão, não apenas pelo que o Eterno lhe dá, mas pelo que os outros à sua volta lhe proporcionam, pavimenta o caminho para receber mais bênçãos. Aquele que se esquece da gratidão não comete apenas uma injustiça, mas atenta contra a própria fonte de onde as bênçãos provêm. Ser grato pelo que se tem é uma das chaves para a sabedoria e a felicidade.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Dons e Sabedoria (Ex. 35:10)

וְכָל-חֲכַם-לֵב בָּכֶם יָבֹאוּ וְיַעֲשׂוּ אֵת כָּל-אֲשֶׁר צִוָּה יהוה

“E venham todos os sábios de coração entre vós, e façam tudo o que ADONAY tem mandado.” (Shemot/Êxodo 35:10)

O Eterno concedeu a cada um de nós dons especiais: Uns têm a habilidade de ensinar, outros de confortar; uns oram com facilidade, outros conseguem estudar com mais afinco; uns conseguem organizar grupos, outros são excelentes nos bastidores. Contudo, jamais devemos nos esquecer de que esses dons foram concedidos pelo Criador. Se você pensar que seus dons te tornam independentes dEle, da mesma forma que vieram, esses dons podem desaparecer. Seja grato por tudo que Ele te deu, e Ele te concederá novos dons e experiências. E bendiga a Ele por tudo o que recebeu.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Sacrifício e Gratidão (Lv. 3:2)

וְסָמַךְ יָדוֹ עַל-רֹאשׁ קָרְבָּנוֹ וּשְׁחָטוֹ פֶּתַח אֹהֶל מוֹעֵד וְזָרְקוּ בְּנֵי אַהֲרֹן הַכֹּהֲנִים אֶת-הַדָּם עַל-הַמִּזְבֵּחַ–סָבִיב

“E porá a sua mão sobre a cabeça da sua oferta, e a degolará diante da porta da tenda da congregação; e os filhos de Aharon, os kohanim, espargirão o sangue sobre o altar em redor.” (Wayiqrá/Levítico 3:2)

É surpreendente que uma oferta que não é de expiação de pecados tenha a prática do colocar a mão sobre a oferta. Principalmente considerando que a oferta de shelamim (pacífica) era voluntária, resultante de um voto feito ao Eterno. Por que colocar a mão sobre a cabeça, indicando substituição? A resposta pode estar no fato de indicar a nossa compreensão de que, por tudo que o Eterno nos provê, deveríamos a todo momento através de nossas vidas. Mesmo que nossas tentativas sejam imperfeitas, não devemos nos perder de foco essa realidade tão fundamental. E a chave para aprimoramento dessa questão é manter-se sempre grato ao Criador.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Angústia e Gratidão (Nm. 14:2)

וַיִּלֹּנוּ עַל-מֹשֶׁה וְעַל-אַהֲרֹן כֹּל בְּנֵי יִשְׂרָאֵל וַיֹּאמְרוּ אֲלֵהֶם כָּל-הָעֵדָה לוּ-מַתְנוּ בְּאֶרֶץ מִצְרַיִם אוֹ בַּמִּדְבָּר הַזֶּה לוּ-מָתְנוּ

“E todos os filhos de Israel murmuraram contra Moshe e contra Aharon; e toda a congregação lhes disse: Quem dera tivéssemos morrido na terra do Egito! ou, mesmo neste deserto!” (Bamidbar/Números 14:2)

O que retardou a entrada dos filhos de Israel na terra da promessa não foi terem dirigido seu sofrimento ao Eterno, mas sim a forma como o fizeram. Poderiam ter apresentado suas petições, sem murmurarem. Suas reclamações, no entanto, indicavam algo muito delicado e que o Eterno não tolera: Ingratidão. Há quem clame ao Eterno em sua angústia, e há quem seja ingrato perante tudo que Ele fez porque, na concepção da pessoa, não foi o suficiente. A gratidão é uma das maiores chaves para o bom relacionamento com o Eterno. Você não precisa negar sua angústia, seus sofrimentos, para ser grato a Ele pelo que Ele já fez. Antes de pedir mais a Ele, reflita: Você expressa sua gratidão pelo que já tem?

© 5775 – Qol haTorah (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Gratidão e Livramento (Lv. 22:29)

וְכִי-תִזְבְּחוּ זֶבַח-תּוֹדָה לַיהוה–לִרְצֹנְכֶם תִּזְבָּחוּ

“E, quando oferecerdes sacrifícios de gratidão a YHWH, o oferecereis da vossa vontade.” (Wayiqra/Levítico 22:29)

Sacrifícios de gratidão (zevaH todah) eram um tipo específico de sacrifício voluntário, que era oferecido por gratidão pelo Eterno ter livrado alguém de perigo ou angústia. Mesmo assim, o Eterno afirma na Torah que tais sacrifícios eram oferecidos segundo a vontade da pessoa. Não podemos forçar, nem esperar, a gratidão. Gratidão forçada deixa de ser gratidão e passa a ser obrigação. Para cultivar a gratidão, é preciso termos em mente que não merecemos o favor do Eterno, e que mesmo assim Ele nos cerca do Seu mais profundo e mais sublime amor, e nos protege quando menos esperamos.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Limpeza (Especial para PessaH)

שִׁבְעַת יָמִים מַצּוֹת תֹּאכֵלוּ–אַךְ בַּיּוֹם הָרִאשׁוֹן תַּשְׁבִּיתוּ שְּׂאֹר מִבָּתֵּיכֶם כִּי כָּל-אֹכֵל חָמֵץ וְנִכְרְתָה הַנֶּפֶשׁ הַהִוא מִיִּשְׂרָאֵל–מִיּוֹם הָרִאשֹׁן עַד-יוֹם הַשְּׁבִעִי

“Sete dias comereis pães ázimos; ao primeiro dia tirareis o fermento das vossas casas; porque qualquer que comer pão levedado, desde o primeiro até ao sétimo dia, aquela alma será cortada de Israel.” (Shemot/Êxodo 12:15)

Durante a limpeza do hames (levedado), em preparação para a Semana dos Ázimos, nos deparamos com coisas que há muito estavam guardadas, e que já não tem nenhuma utilidade. Às vezes, temos até tristeza de nos desfazermos de certas coisas, mas é necessário, para que possamos celebrar a festa com alegria. Isso reflete também a realidade de nossas vidas. Há coisas guardadas, levedadas e azedadas, que precisamos ter a coragem de deixar para trás. O medo de jogá-las fora pode nos deixar mais infelizes do que se tentarmos nos agarrar a ela. Aproveitemos a época, e limpemos não apenas as nossas dispensas, mas também o mais profundo de nossos corações. Joguemos fora o que é velho, para que o novo possa surgir.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Gratidão e Humildade (Especial para PessaH)

לֹא-תֹאכַל עָלָיו חָמֵץ שִׁבְעַת יָמִים תֹּאכַל-עָלָיו מַצּוֹת לֶחֶם עֹנִי כִּי בְחִפָּזוֹן, יָצָאתָ מֵאֶרֶץ מִצְרַיִם–לְמַעַן תִּזְכֹּר אֶת-יוֹם צֵאתְךָ מֵאֶרֶץ מִצְרַיִם כֹּל יְמֵי חַיֶּיךָ

“Nela não comerás levedado; sete dias nela comerás pães ázimos, pão da miséria (porquanto apressadamente saíste da terra do Egito), para que te lembres do dia da tua saída da terra do Egito, todos os dias da tua vida.” (Devarim/Deuteronômio 16:3)

Por que nos lembrarmos da aflição e da miséria por todos os dias de nossas vidas? Há dois motivos básicos: Um deles é a gratidão ao Criador, pelo que Ele fez, que deve ser constante e sempre presente. O outro é o fato de que o sofrimento normalmente nos suaviza, e nos torna mais humanos, e menos orgulhosos. Gratidão e humildade são duas características fundamentais para que possamos ser luz aonde quer que formos, não apenas nos tempos difíceis, mas também no melhor da terra da promessa.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Nutrindo a Gratidão (2 Sm. 9:1)

וַיֹּאמֶר דָּוִד–הֲכִי יֶשׁ-עוֹד אֲשֶׁר נוֹתַר לְבֵית שָׁאוּל; וְאֶעֱשֶׂה עִמּוֹ חֶסֶד בַּעֲבוּר יְהוֹנָתָן

“E disse Dawid: Há ainda alguém que tenha ficado da casa de Sha’ul, para que lhe faça benevolência por amor de Yehonatan?” (Shemuel Bet/2 Samuel 9:1)

Mesmo Yehonatan (Jonatas) tendo morrido, e a casa de Sha’ul (Saul) tendo sido sua ferrenha adversária, Dawid (Davi) jamais esqueceu do amor e da gratidão que tinha por seu amigo, que inclusive lhe salvara a vida. Muitas vezes nos apegamos ao ressentimento por tantos anos, ao passo que rapidamente nos esquecemos da gratidão, e do amor. Uma das chaves para se ter um coração puro é procurar processar aquilo que é ruim, e nutrir aquilo que é bom. Somos fruto daquilo que alimentamos diariamente dentro de nós.

© 2013 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Generosidade (Gn. 41:57)

וְכָל-הָאָרֶץ בָּאוּ מִצְרַיְמָה לִשְׁבֹּר אֶל-יוֹסֵף: כִּי-חָזַק הָרָעָב בְּכָל-הָאָרֶץ

“E de todas as terras vinham ao Egito, para comprar de Yossef; porquanto a fome prevaleceu em todas as terras.” (Bereshit/Gênesis 41:57)

Yossef (José) poderia ter utilizado tais recursos unicamente para os egípcios, e poderia se sentir justificado. Mas, Yossef (José) foi generoso com as nações vizinhas, que também passavam fome. Esse é um dos segredos de uma vida próspera: Utilizar os recursos que estão em nossas mãos para fazermos coisas boas. Por que o Eterno colocaria mais recursos em nossas mãos, se não utilizarmos aquilo que Ele já colocou para fazermos aquilo que é reto diante dEle? Pense nisso, da próxima vez em que pedir ao Eterno por sua situação financeira.

© 2013 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Esquecimento (Sl. 78:11)

וַיִּשְׁכְּחוּ עֲלִילוֹתָיו; וְנִפְלְאוֹתָיו אֲשֶׁר הֶרְאָם
“E esqueceram-se das suas obras e das maravilhas que lhes fizera ver.” (Tehilim/Salmos 78:11)

Um dos principais problemas do povo de Israel ao longo da história estava no foco na situação imediata. Tão logo éramos libertos de uma situação terrível e vivíamos a abundância do Eterno, esquecíamos daquilo que o Eterno havia feito. Se focarmos no hoje, podemos nos tornar céticos ou lenientes, mesmo tendo vivido uma vida inteira de milagres. É por isso que é importante olharmos o todo. É preciso regularmente pararmos e lembrarmos aquilo que o Eterno já fez por nós.

© 2013 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.