Arquivo da tag: espiritualidade

Purificação (Ex. 40:31)

וְרָחֲצוּ מִמֶּנּוּ מֹשֶׁה וְאַהֲרֹן וּבָנָיו אֶת-יְדֵיהֶם וְאֶת-רַגְלֵיהֶם

“E Moshé, e Aharon e seus filhos nela lavaram as suas mãos e os seus pés.” (Shemot/Êxodo 40:31)

Mesmo Moshé e Aharon (Moisés e Aarão), que estavam continuamente na presença do Eterno, precisavam lavar suas mãos e pés para adentrarem o Tabernáculo. Isso revela algo muito importante: Não importa o nível de espiritualidade ou conhecimento que tenhamos atingido, é sempre fundamental estar em constante processo de purificação. Lavar as mãos simboliza atitudes íntegras, e lavar os pés, fazer escolhas de retidão. Os sacerdotes eram chamados a se purificar, para demonstrar que quanto mais próximos estivermos do Criador, ainda mais se torna necessária uma atitude de rever nossas vidas.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

O Sacerdócio do Ego (Nm. 16:10)

וַיַּקְרֵב אֹתְךָ וְאֶת-כָּל-אַחֶיךָ בְנֵי-לֵוִי אִתָּךְ וּבִקַּשְׁתֶּם גַּם-כְּהֻנָּה

“E te fez chegar, e todos os teus irmãos, os filhos de Lewi, contigo? ainda também procurais o sacerdócio?” (Bamidbar/Números 16:10)

Se o Tanakh (Bíblia Hebraica) nos incentiva a aprofundarmos nosso relacionamento com o Criador, e a fazermos cada vez mais e melhor, qual o problema de QoraH (Corá) e os outros levitas quererem fazer ainda mais? A resposta está na intenção. Esses levitas queriam o sacerdócio porque queriam ser alguém, se sentirem importantes. Infelizmente, no íntimo, essa é a razão pela qual muitos buscam aumentar sua espiritualidade. Porém, no serviço ao Eterno, não há espaço para egos. Se você deseja servir ao Criador, comece pelo seu ego. Há muito trabalho a ser feito nessa seara, antes que possamos buscar serviços mais sublimes.

© 5775 – Qol haTorah (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Único (Is. 46:9)

זִכְרוּ רִאשֹׁנוֹת מֵעוֹלָם כִּי אָנֹכִי אֵל וְאֵין עוֹד אֱלֹהִים וְאֶפֶס כָּמוֹנִי

“Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que Eu sou Elohim, e não há outro Elohim, não há outro semelhante a Mim.” (Yeshayahu/Isaías 46:9)

As coisas passadas se referem aos atos e feitos do Criador, cujo objetivo aqui é expresso pelo profeta: Fazer o povo compreender que não há Elohim além dele. Por essa razão, Rambam diz que o objetivo principal da Torah é conduzir ao Monoteísmo. Há quem se sinta esvaziado em sua vida espiritual, como se algo faltasse. Geralmente isso as leva a preenchê-la com as mais variadas coisas, ou achar que um intermediário é necessário para conduzi-las. No entanto, a saída para isso é retornar à antiguidade. Voltar-se para a Torah e para a certeza de que há somente UM Elohim que pode preencher todos os nossos anseios: O Criador dos céus e da terra, o Elohim de Avraham.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Perante Ele (Ez. 43:2)

וַיֹּאמֶר אֵלַי הַמַּיִם הָאֵלֶּה יוֹצְאִים אֶל-הַגְּלִילָה הַקַּדְמוֹנָה וְיָרְדוּ עַל-הָעֲרָבָה וּבָאוּ הַיָּמָּה אֶל-הַיָּמָּה הַמּוּצָאִים וְנִרְפּאוּ הַמָּיִם

“E eis que a glória do Elohim de Israel vinha do caminho do oriente; e a sua voz era como a voz de muitas águas, e a terra resplandeceu por causa da sua glória.” (Yehezqel/Ezequiel 43:2)

Tarefa árdua para os escribas dos textos bíblicos era descrever o Eterno e a Sua glória, visto que qualquer tipo de comparação, antropomorfismo, ou palavra de exaltação humana parece tão pequena perante a grandeza do Criador. Ao pensarmos na obra tão meticulosa realizada por Ele em cada uma das incontáveis partículas subatômicas que formam o número inimaginável de moléculas que compõem o nosso corpo, e se pensarmos que somos como um grão de areia em meio ao universo em que vivemos, e que o Universo nada é comparado a Ele, então nossa única possível conclusão é a de que devemos nos prostrar perante o Criador, e declarar a Ele toda a nossa admiração. Não apenas pelo que Ele fez, mas por quem Ele é.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Ritos (Lv. 14:16)

טָבַל הַכֹּהֵן אֶת-אֶצְבָּעוֹ הַיְמָנִית מִן-הַשֶּׁמֶן אֲשֶׁר עַל-כַּפּוֹ הַשְּׂמָאלִית וְהִזָּה מִן-הַשֶּׁמֶן בְּאֶצְבָּעוֹ שֶׁבַע פְּעָמִים לִפְנֵי י–היה

“Então o kohen molhará o seu dedo direito no azeite que está na sua mão esquerda, e daquele azeite com o seu dedo espargirá sete vezes perante YHWH.” (Wayiqra/Levítico 14:16)

Muitos ficam intrigados com determinados ritos, como o acima. Que diferença faz aspergir azeite sete vezes, e não seis? Ou que diferença faz usar o azeite, ou fazer qualquer tipo de aspersão perante Aquele que criou as galáxias? Na realidade, os ritos foram criados para nós, e não para o Criador. O ser humano é muito apegado ao tangível, e sentiria culpa e desconforto sem ações materiais concretas. Acreditar que há poder espiritual inerente ao ato do rito, em si, é descender a um animismo ingênuo, e ao mesmo tempo apequenar o Criador. Ritos são poderosos mecanismos psicológicos, que permitem três coisas: alívio da culpa, concentrar-se na fé, e dar ao homem a oportunidade de ser obediente.

© 2014 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Ao Amanhecer (Sl. 108:2)

עוּרָה הַנֵּבֶל וְכִנּוֹר; אָעִירָה שָּׁחַר
“Despertai, saltério e harpa; eu mesmo despertarei ao romper da alva.” (Tehilim/Salmos 108:2)

Muitos relatam uma grande diferença em seu dia, tanto no humor quando em sua produtividade, quando tomam um café da manhã farto e tranquilo. Outros, quando praticam exercícios físicos. Experimente dedicar um tempo para orações e cânticos ao Criador, logo no começo do dia. A diferença em sua disposição será enorme, e a qualidade do relacionamento com Ele também. A prática diária nos mantém alimentados em nossa espiritualidade.

© 2013 – Kol haTorah (www.kol-hatorah.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.