Arquivo da categoria: Torá

No Meio das Trevas (Gn. 1:5)

וַיַּרְא אֱלֹהִים אֶת-הָאוֹר כִּי-טוֹב; וַיַּבְדֵּל אֱלֹהִים, בֵּין הָאוֹר וּבֵין הַחֹשֶׁךְ

“E Elohim chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E anoiteceu e amanheceu: o primeiro dia primeiro.” (Bereshit/Gênesis 1:5)

Você já se sentiu envolto em trevas? Perdido, de modo a não conseguir enxergar o caminho? Não à toa, as Escrituras começam o relato da criação falando das trevas; O primeiro dia surgindo com a criação da luz. Há nisso uma mensagem muito importante: Não há escuridão que não seja seguida por luz. Quando se está no meio da noite, é difícil contemplar uma saída para a escuridão. Por isso esse ensinamento é tão importante: Mesmo se você ainda não vê saída, saiba que tão certo quanto vive o Eterno, a escuridão é sucedida pelo amanhecer. Da mesma forma que um novo dia trouxe nova criação, o amanhecer também trará novas circunstâncias, e uma vida diferente. Confie no Eterno, até que a luz comece a despontar.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Difícil Escolha (Dt. 28:3)

בָּרוּךְ אַתָּה בָּעִיר וּבָרוּךְ אַתָּה בַּשָּׂדֶה

“Bendito serás na cidade, e bendito serás no campo.” (Debarim/Deuteronômio 28:3)

Como é difícil estar diante de uma situação na qual se pode ir para a esquerda, ou para a direita! O que fazer? Como agir? Muitas pessoas ficam paralisadas diante de uma escolha, esperando que o Eterno revele qual o caminho a ser tomado. Porém, o Eterno não age assim, pois maturidade implica em saber escolher e se responsabilizar pelas suas escolhas. Se você confia no Eterno e tem com Ele uma aliança, se fez dEle o seu Senhor, então o caminho que você escolher, Ele abençoará. E se houver armadilhas, confie que Ele te desviará de todas elas. O Eterno não abençoa quem fica parado diante da indecisão, mas sim quem confia nEle o suficiente para saber que Ele abençoará todas as tuas veredas. Como diz a Escritura acima, onde você estiver, Ele te abençoará.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Distante do Criador (Dt. 4:29)

בִקַּשְׁתֶּם מִשָּׁם אֶת-יהוה אֱלֹהֶיךָ וּמָצָאתָ כִּי תִדְרְשֶׁנּוּ בְּכָל-לְבָבְךָ וּבְכָל-נַפְשֶׁךָ

“Então dali buscarás a ADONAY teu Elohim, e O acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma.” (Debarim/Deuteronômio 4:29)

É comum sentir-se como se o Eterno estivesse distante? Porém, a Torá nos ensina que esse distanciamento é artificial. Quantas vezes você respirou enquanto lia esse versículo? Até o ato da respiração só é possível porque o Eterno soprou sobre nós o Seu Espírito, e nos deu a vida. Quando nos sentimos distantes do Criador, é porque nós dEle nos afastamos. Seja porque ficamos aborrecidos por Ele não nos dar o que desejamos, nos esquecendo de que Ele é Senhor e não servo, ou porque acabamos dando mais importância às questões cotidianas. A boa notícia, contudo, é essa: Nada está perdido! Na fração de segundos na qual você voltar o seu coração para o Criador, abrindo-se para Ele, você será novamente inundado pela doce presença do Altíssimo em sua vida. Foque-se nEle, pois o restante desta vida é acessório.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Amor e Cura (Lv. 19:18)

לֹא-תִקֹּם וְלֹא-תִטֹּר אֶת-בְּנֵי עַמֶּךָ וְאָהַבְתָּ לְרֵעֲךָ כָּמוֹךָ אֲנִי יהוה

“Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou ADONAY.” (Wayiqrá/Levítico 19:18)

A Torá aqui enfatiza o amor. No hebraico original, entende-se isso não como sentimento, mas como uma prática de solidariedade e de solicitude para com o próximo. Embora não controlemos nossas emoções, agir dessa maneira, buscando o bem do próximo é o melhor antídoto contra a raiva, a tristeza e a mágoa. Ao nos focarmos na necessidade do próximo, deixamos nossas dores de lado. E, com isso, começamos a trilhar o caminho na direção da cura.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Coragem x Estagnação (Dt. 31:6)

חִזְקוּ וְאִמְצוּ אַל-תִּירְאוּ וְאַל-תַּעַרְצוּ מִפְּנֵיהֶם כִּי יהוה אֱלֹהֶיךָ הוּא הַהֹלֵךְ עִמָּךְ–לֹא יַרְפְּךָ וְלֹא יַעַזְבֶךָּ

“Esforçai-vos, e animai-vos; não temais, nem vos espanteis diante deles; porque ADONAY teu Elohim é o que vai contigo; não te deixará nem te desamparará.” (Debarim/Deuteronômio 31:6)

Coragem. Essa é uma palavra que não pode faltar no vocabulário de quem serve ao Criador. Porém, ao contrário do que muitos pensam, a coragem não é a ausência do medo. O medo é uma reação biológica instintiva a algo que é percebido como ameaçador. Ou seja, você não controla nem ‘se’, nem ‘quando’ irá sentir medo. Todavia, você pode escolher ser ou não dominado pelo medo. A coragem é o agir mesmo quando se está com medo, confiando que o Eterno irá te apoiar. Aquele que fica parado dizendo esperar que o Eterno abra as portas ou dê coragem ficará para sempre estagnado em sua vida. Aquele que deseja ver progresso e transformação precisa ter coragem para agir, e a certeza de que o Eterno irá abençoar.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

O Bom Olhado (Pv. 22:9)

טוֹב-עַיִן הוּא יְבֹרָךְ כִּי-נָתַן מִלַּחְמוֹ לַדָּל

“Amarás, pois, ADONAY teu Elohim de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.” (Debarim/Deuteronômio 6:5)

Muitas pessoas têm medo do chamado mau olhado, geralmente entendido como negatividade vinda da ira, inveja ou ciúmes de um terceiro. Mas, o Tanakh (Bíblia Judaica) fala em diversas ocasiões sobre o que poderíamos chamar de “bom olhado”, isto é, um olhar generoso, que atenta para o sofrimento do outro. A maneira como vemos as pessoas pode afetar diretamente a nossa forma de lidar com elas, assim como o nosso desenvolvimento espiritual. Se vemos a todos com olhar de desconfiança, de desdém ou mesmo de ira, então teremos dificuldade de fazer o bem. Quando procuramos ver o sofrimento que as pessoas têm com suas próprias limitações, então acabamos por desenvolver a nossa capacidade de ser luz onde para o outro há trevas. Se eu entendo aquilo no qual meu irmão sofre ou tem dificuldade de vencer, posso ser um instrumento do Eterno para ajudá-lo e, através disso, também ser abençoado.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Por Toda a Eternidade (Dt. 6:5)

וְאָהַבְתָּ אֵת יהוה אֱלֹהֶיךָ בְּכָל-לְבָבְךָ וּבְכָל-נַפְשְׁךָ וּבְכָל-מְאֹדֶךָ

“Amarás, pois, ADONAY teu Elohim de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.” (Debarim/Deuteronômio 6:5)

Amar o Eterno significa tratar aquilo que diz respeito a Ele com a mesma dedicação, ou mais, do que aquilo que diz respeito a nós. Existem dois tipos de pessoas religiosas: Aquelas que almejam a recompensa vindoura, e aquelas que almejam a proximidade com o Criador. O mundo vindouro, por mais que saibamos que será absolutamente maravilhoso, não deve ser aquilo que nos motiva e nos move a nos aprofundarmos nos caminhos do Criador. A amor ao Eterno é nossa luz, que norteará nossos caminhos sempre. Quem assim procede estará com Ele por toda a eternidade.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Batalha contra o Mal (Ex. 17:11)

וְהָיָה כַּאֲשֶׁר יָרִים מֹשֶׁה יָדוֹ–וְגָבַר יִשְׂרָאֵל וְכַאֲשֶׁר יָנִיחַ יָדוֹ וְגָבַר עֲמָלֵק

“E acontecia que quando Moshé levantava a mão, prevalecia Israel; mas quando ele abaixava a mão, prevalecia `Amaleq.” (Shemot/Êxodo 17:11)

Esta passagem da Torá faz com que reflitamos sobre nossas atitudes. Simbolicamente, pode-se dizer que dentro de nós, há uma batalha constante entre Israel e `Amaleq. Isto é, uma batalha entre o seguir os caminhos do Eterno e dar vazão à iniquidade. As mãos de Moshé ficaram cansadas, e ele precisou não apenas de todas as suas forças, como também de ajuda para que permanecessem firmes. Da mesma forma, não ceder à tentação de sucumbir aos nossos desejos egoístas não deve ser encarado como algo fácil de fazer. Pode requerer uma atenção firme e contínua, e até mesmo a ajuda de terceiros. Manter-se firme é a forma que temos de caminhar em retidão, rumo às promessas do Criador.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Dons e Sabedoria (Ex. 35:10)

וְכָל-חֲכַם-לֵב בָּכֶם יָבֹאוּ וְיַעֲשׂוּ אֵת כָּל-אֲשֶׁר צִוָּה יהוה

“E venham todos os sábios de coração entre vós, e façam tudo o que ADONAY tem mandado.” (Shemot/Êxodo 35:10)

O Eterno concedeu a cada um de nós dons especiais: Uns têm a habilidade de ensinar, outros de confortar; uns oram com facilidade, outros conseguem estudar com mais afinco; uns conseguem organizar grupos, outros são excelentes nos bastidores. Contudo, jamais devemos nos esquecer de que esses dons foram concedidos pelo Criador. Se você pensar que seus dons te tornam independentes dEle, da mesma forma que vieram, esses dons podem desaparecer. Seja grato por tudo que Ele te deu, e Ele te concederá novos dons e experiências. E bendiga a Ele por tudo o que recebeu.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Lembrança Saudável x Apego Excessivo (Ex. 13:19)

וַיִּקַּח מֹשֶׁה אֶת-עַצְמוֹת יוֹסֵף עִמּוֹ כִּי הַשְׁבֵּעַ הִשְׁבִּיעַ אֶת-בְּנֵי יִשְׂרָאֵל לֵאמֹר פָּקֹד יִפְקֹד אֱלֹהִים אֶתְכֶם וְהַעֲלִיתֶם אֶת-עַצְמֹתַי מִזֶּה אִתְּכֶם

“E Moshé levou consigo os ossos de Yossêf, porquanto havia este solenemente ajuramentado os filhos de Israel, dizendo: Certamente Elohim vos visitará; fazei, pois, subir daqui os meus ossos convosco.” (Shemot/Êxodo 13:19)

Por que levar os ossos de Yossêf (José)? Na cultura semita da antiguidade, as tumbas serviam como memorial dos antepassados de uma família, ou mesmo de um povo. Se os ossos permanecessem no Egito, haveria menos vínculo com a terra de Israel, e ainda se correria o risco do povo desejar voltar para o Egito, onde estaria enterrado um de seus ancestrais. Analogamente, existem várias coisas que funcionam para nós como símbolos importantes, de momentos de nossas vidas ou das vidas de nossos pais. Alguns, contudo, podem nos manter presos ao passado. Há registros de memória que são saudáveis, servindo apenas para nos recordar, e que não nos impede de viver o presente. Há outros que indicam que não queremos nos desapegar de coisas que já passaram. A falta desse desapego pode nos manter paralisados, e nos impedir de trilhar caminhos que o Criador tem para nós. Nesse caso, é melhor desfazer-se daquilo que nos mantém na escravidão do passado, mesmo que pareça representar coisas boas.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.