Arquivo da categoria: Neḇi’im

Quando a Vida se Quebra (Jr. 18:4)

וְנִשְׁחַת הַכְּלִי אֲשֶׁר הוּא עֹשֶׂה בַּחֹמֶר–בְּיַד הַיּוֹצֵר וְשָׁב וַיַּעֲשֵׂהוּ כְּלִי אַחֵר כַּאֲשֶׁר יָשַׁר בְּעֵינֵי הַיּוֹצֵר לַעֲשׂוֹת

““Como o vaso, que ele fazia de barro, quebrou-se na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme o que pareceu bem aos olhos do oleiro fazer.” (Yirmiyahu/Jeremias 18:4)

Muitas vezes oramos e buscamos do Eterno renovação e restauração. Porém, é importante pensar: Se precisamos de renovação ou restauração, é sinal de que algo não está bom. No fundo, desejamos que o Eterno faça um ajuste sem dores, e conserte aquilo que está fora do lugar. Porém, nossa vida é como um vaso, que precisa ser quebrado para que seja refeito. Na passagem acima, o objetivo final do Eterno não era o mal de Israel, mas sim a reconstrução. O processo, porém, seria doloroso. Ao quebrantar nossas vidas, o Eterno nos faz olhar para os cacos. É preciso reconhecer aquilo que já não tem mais serventia, encarar os erros e dificuldades de frente, e agir fazendo as mudanças necessárias (que dependem de nós), para que o vaso refeito não seja semelhante ao primeiro. A dor do quebrantamento não deve ser recebida como um abandono da parte do Eterno. É justamente porque Ele nos ama e cuida de nós, que se importa em refazer nossas vidas. Mas, para que sejam refeitas, precisam primeiro ser quebradas. Mesmo quando está difícil de suportar, confie nEle, e permita-se fazer as mudanças que você sabe que são necessárias. Elas não serão para o mal, e sim para o bem.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Fé e Eternidade (Jr. 1:5)

בְּטֶרֶם אֶצָּרְךָ בַבֶּטֶן יְדַעְתִּיךָ וּבְטֶרֶם תֵּצֵא מֵרֶחֶם הִקְדַּשְׁתִּיךָ נָבִיא לַגּוֹיִם נְתַתִּיךָ

“Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta.” (Yirmiyahu/Jeremias 1:5)

Desde antes de você ser concebido, moldado, e do aspecto de seu espírito que é imagem do Eterno ser revestido de um corpo de carne, o Eterno já tinha planos para você. É comum ter dificuldade de enxergar o todo, pois nossa mente carnal consegue apenas se focar no presente, e mesmo a visão do passado e do futuro são limitadas. E se isso é verdadeiro quanto à essa existência, quanto mais quanto à eternidade. Tudo que você passou, passa, e passará é por um propósito. Tudo tem um motivo, e nada é por acaso. No presente pode haver dúvida, incerteza, insegurança ou mesmo tristeza. São sentimentos normais e plenamente naturais. Porém, o Eterno tem em vista muito mais do que o presente. Você está sendo moldado, cuidado e pensado, em um plano perpétuo, que tem milhares de milhares de épocas, e cujo tempo presente é apenas um grão de areia na imensidão. Essa percepção também é importante para despertar a fé verdadeira, porque essa fé é muito mais do que confiar no Eterno quanto a livrar de uma angústia presente. É a confiança de que Ele concebeu a evolução, de eternidade em eternidade, num plano que tem tão somente o nosso melhor em vista.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Usando a Bíblia de forma nociva (Jr. 31:34)

כֹּה אָמַר יהוה נֹתֵן שֶׁמֶשׁ לְאוֹר יוֹמָם חֻקֹּת יָרֵחַ וְכוֹכָבִים לְאוֹר לָיְלָה; רֹגַע הַיָּם וַיֶּהֱמוּ גַלָּיו יהוה צְבָאוֹת שְׁמוֹ

“E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei a ADONAY; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz ADONAY; porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados.” (Yirmiyahu/Jeremias 31:34)

O principal objetivo do Eterno é ser por nós conhecido. Tanto que adquirir conhecimento dEle é o primeiro dos 613 mandamentos da Torá. Ler a respeito do que alguém fez a um terceiro pode ajudar no conhecimento, mas não é suficiente. É preciso que haja um conhecimento que vem de um relacionamento, do dia-a-dia. Quem você apresentará a seus filhos: Uma Divindade que agia quatro mil anos atrás, ou o Eterno, que age com você no dia-a-dia? A Bíblia não pode ser sua única fonte de experiência. É importantíssimo contar e anotar, e se lembrar, regularmente de tudo aquilo o Eterno fez não só para nossos pais, mas para você. Até mesmo algo tão extraordinário como a Bíblia pode ser ruim se usado para fins errados. E nada deve substituir a lembrança do que o Eterno fez e faz por você, pois além de te fortalecer nas horas de angústia, servirá de firme fundamento para seus filhos.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Odiado sem razão (Jr. 15:10)

אוֹי-לִי אִמִּי–כִּי יְלִדְתִּנִי אִישׁ רִיב וְאִישׁ מָדוֹן לְכָל-הָאָרֶץ לֹא-נָשִׁיתִי וְלֹא-נָשׁוּ-בִי כֻּלֹּה מְקַלְלַוְנִי

“Ai de mim, ó minha mãe, que me geraste, para tornar-se objeto de disputa e de discórdia em toda a terra! Não sou credor nem devedor, e, no entanto, todos me maldizem.” (Yirmiyahu/Jeremias 15:10)

Ser odiado sem razão é tão doloroso, que até o profeta do Eterno sofria com isso. Todavia, se você se coloca numa posição de agir somente em retidão, de não se corromper, não se vender aos valores deste mundo, nem se deixar levar por suas distorções, é quase certo que em dado momento será odiado. Talvez tanto quanto, ou até mais, do que o profeta. A dor do ódio infundado não é um sofrimento gratuito. Ela só se torna suportável quando criamos um vínculo fortíssimo com o Criador, que nos permite encarar a adversidade e não cair. Esse vínculo é o objetivo principal do sofrimento. Ele permitirá que grandes coisas sejam feitas para que a obra do mundo vindouro seja fundamentalmente sustentada em retidão. Para que a construção seja perfeita, os obreiros precisam ser fortes. E para que sejam fortes, precisam ser depurados. Quando estiver sofrendo, lembre-se disso: O sofrimento é passageiro, mas a experiência adquirida irá fundamentar a eternidade.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Testemunho Vivo (Js. 4:6)

לְמַעַן תִּהְיֶה זֹאת אוֹת–בְּקִרְבְּכֶם כִּי-יִשְׁאָלוּן בְּנֵיכֶם מָחָר לֵאמֹר מָה הָאֲבָנִים הָאֵלֶּה לָכֶם

“Para que isto seja por sinal entre vós; e quando vossos filhos no futuro perguntarem, dizendo: Que significam estas pedras?” (Yehoshua`/Josué 4:6

As doze pedras colocadas na conquista da terra simbolizavam o que o Eterno fez para cada uma das tribos. Era um testemunho vivo de que aquilo que o Eterno promete, Ele sempre cumpre. A função dessas pedras era evitar que as gerações futuras se sentissem excluídas das promessas do Criador. Assim é conosco: Frequentemente nos sentimos excluídos das bênçãos do Eterno quando passamos por adversidades. Um dos motivos para esse sentimento pode ser o fato de que, quando estamos em tempos de bênçãos, não lembramos de firmar testemunho daquilo que foi feito por nós. Sem o testemunho da bênção, atravessar a adversidade pode ser bem mais doloroso. Lembre-se disso da próxima vez que o Eterno te abençoar, para que a memória persista também nos tempos das provações.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Senhor de toda a carne (Jr. 32:27)

הִנֵּה אֲנִי יהוה אֱלֹהֵי כָּל-בָּשָׂר–הֲמִמֶּנִּי יִפָּלֵא כָּל-דָּבָר

“Eis que Eu sou ADONAY, o Elohim de toda a carne; acaso haveria alguma coisa demasiado difícil para mim?” (Yirmiyahu/Jeremias 32:27)

O Eterno aqui se apresenta como o “Elohim de toda carne”. O termo “Elohim” tem conotação de autoridade absoluta. Em outras palavras, Ele é Senhor sobre tudo o que vive, e tudo o que há neste mundo. Há religiões que entendem que o mundo é governado por outras entidades. No entanto, no monoteísmo da Bíblia Hebraica, não há outro além dEle que tenha autoridade para se assenhorar de Sua criação. A importância disso vai além da mera teologia: É importante compreender que nada do que você esteja passando foge ao controle dEle. Mesmo as experiências negativas, adversidades e outros têm por objetivo o seu aprimoramento, não apenas para ser uma pessoa melhor nesta vida, mas também para se tornar aquilo que Ele precisa para sua obra no mundo vindouro.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Obtendo Porção Dobrada (Is. 61:7)

תַּ֤חַת בָּשְׁתְּכֶם֙ מִשְׁנֶ֔ה וּכְלִמָּ֖ה יָרֹ֣נּוּ חֶלְקָ֑ם לָכֵ֤ן בְּאַרְצָם֙ מִשְׁנֶ֣ה יִירָ֔שׁוּ שִׂמְחַ֥ת עֹולָ֖ם תִּהְיֶ֥ה לָהֶֽם

“Em lugar da vossa vergonha tereis dupla honra; e em lugar da afronta exultareis na vossa parte; por isso na sua terra possuirão o dobro, e terão perpétua alegria.” (Yeshayahu/Isaías 61:7)

Muitas pessoas se indagam qual o segredo de receber porção dobrada, segundo as Escrituras. Alguns vagam de lugar em lugar, dando ouvidos às doutrinas mais insanas, outros caem presas daqueles cuja intenção é duvidosa, e no entanto não alcançam a porção dobrada. Como obtê-la? Pelo contexto, observamos que a porção dobrada vem a partir de um quebrantamento de coração, um aceite das consequências da transgressão e, por fim, um buscar a face do Eterno em arrependimento verdadeiro. Se você deseja uma maior abundância em felicidade ou mesmo prosperidade, faça da busca do Eterno a sua prioridade. Diante do coração íntegro e do interior quebrantado, o Eterno derrama abundância sobre todos aqueles que buscam a Sua face.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Mudanças Positivas (1 Sm. 10:9)

וְהָיָה כְּהַפְנֹתוֹ שִׁכְמוֹ לָלֶכֶת מֵעִם שְׁמוּאֵל וַיַּהֲפָךְ-לוֹ אֱלֹהִים לֵב אַחֵר וַיָּבֹאוּ כָּל-הָאֹתוֹת הָאֵלֶּה בַּיּוֹם הַהוּא

“Sucedeu, pois, que, virando ele as costas para partir de Shemu’el, Elohim lhe mudou o coração em outro; e todos aqueles sinais aconteceram naquele mesmo dia.” (Shemu’el Alef/1 Samuel 10:9)

Para que pudesse realizar aquilo que o Eterno tinha planejado, o rei Sha’ul (Saul) precisou mudar sua atitude com relação à humildade de sua família e quanto a ser digno do chamado. Embora a mudança tenha sido promovida pelo Eterno, uma coisa foi necessária: Ele precisou abrir seu coração. Da mesma forma, se desejamos que o Eterno realmente venha a agir através de nós, é preciso estar disposto a mudar a forma de pensar, de agir, e até os planos para o futuro. Será que estamos prontos para aceitar as transformações que o Eterno tem para nós? Para isso, não podemos temer o caminho que nos conduzirá a esse ponto, pois temer mudanças pode impedir que vivamos coisas maravilhosas.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Presos no Passado? (Ec. 7:10)

אַל-תֹּאמַר מֶה הָיָה–שֶׁהַיָּמִים הָרִאשֹׁנִים הָיוּ טוֹבִים מֵאֵלֶּה כִּי לֹא מֵחָכְמָה שָׁאַלְתָּ עַל-זֶה

“Nunca digas: Por que foram os dias passados melhores do que estes? Porque não provém da sabedoria esta pergunta.” (Qohelet/Eclesiastes 7:10)

Pouca gente sabe que esse comportamento é condenado pelas Escrituras. E não são poucos os que acreditam que as coisas estão sempre piorando. Se sua fé está na piora das condições, então essa é a semente que você está plantando para colher mais na frente. E se esse pensamento vem sempre à mente, então isso significa que se está vivendo no passado, e deixando de aproveitar as experiências do presente. Nosso foco deve ser em como viver melhor hoje, e em como buscar o Criador no presente. Não fomos concebidos com a capacidade de vivenciar o passado, ou o futuro. E isso tem um porque: Tais coisas apenas nos fazem perder o foco do que precisamos e devemos fazer neste momento. Solte esse fardo tão pesado que você carrega de não viver no presente, e deixe-o nas mãos do Criador, que tudo vê, e que está no comando de todas as coisas.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Proibida a reprodução sem consentimento prévio.

Festa e Pecado? (Ez. 45:22)

וְעָשָׂה הַנָּשִׂיא בַּיּוֹם הַהוּא בַּעֲדוֹ וּבְעַד כָּל-עַם הָאָרֶץ–פַּר חַטָּאת

“E no mesmo dia o príncipe preparará por si e por todo o povo da terra, um bezerro como oferta pelo pecado.” (Ye’hezqel/Ezequiel 45:22)

Imediatamente após falar sobre a celebração do Pessa’h (Páscoa), o profeta Ye’hezqel (Ezequiel) afirma que o príncipe, entendido por alguns como o Sumo Sacerdote e por outros como o Rei da dinastia de Dawid, faria uma oferta por seu pecado, e pelo pecado do povo. Por que a menção ao pecado justamente no momento de uma comemoração tão alegre? Alguns comentaristas afirmam que a menção ao pecado é para que a festa não nos impeça de ficar em alerta. É fácil tomar ciência do pecado quando se está triste e abatido, mas lembramos disso quando estamos alegres? A lembrança do pecado não precisa estragar a festividade. Mas ela serve como uma meta; um memorial de que nunca devemos parar de buscar evoluirmos, e progredirmos diante do Criador.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.