Todos os posts de Sha'ul Bensiyon

Felicidade Plena (Ec. 12:13)

סוֹף דָּבָר הַכֹּל נִשְׁמָע אֶת-הָאֱלֹהִים יְרָא וְאֶת-מִצְו‍ֹתָיו שְׁמוֹר כִּי-זֶה כָּל-הָאָדָם

“De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Elohim, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem.” (Qohelet/Eclesiastes 12:13)

Por que o propósito de nossas vidas é ser temente ao Eterno, e obediente a Ele? O que dizer de outras coisas, como amar, ou ser feliz? E não estamos aqui, nesta vida, para adquirir sabedoria a fim de amadurecer para a existência no mundo vindouro? Todas essas coisas são importantes, mas o essencial ainda é o temor e a obediência. Por que? A resposta é simples: Porque obedecê-Lo não agrega nada para Ele. O Criador continua sendo o Supremo Senhor do universo, com ou sem a nossa obediência. Mas obedecer é entregar nossa vida a Ele, e confiar que Ele, muito mais do que nós, sabe o que precisamos desenvolver nesta vida, em preparação para o mundo vindouro. Guardar suas palavras é a chave para a felicidade plena.

© 5776 – Qol haTorá (www.judeu.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Sementes e Frutos (Pv. 10:12)

שִׂנְאָה תְּעֹרֵר מְדָנִים וְעַל כָּל-פְּשָׁעִים תְּכַסֶּה אַהֲבָה

“O ódio excita contendas, mas o amor cobre todos os pecados.” (Mishlê/Provérbios 10:12)

Uma pergunta que devemos nos indagar antes de repreender ou mesmo oposição ao a alguém: Nossos atos são motivados por amor? Muitas pessoas se frustram com suas tentativas de colocar terceiros no caminho da retidão, porém suas ações não são motivadas por amor, e sim por medo, raiva, ou até mesmo desejo de dominação. Se essa é a semente que plantamos, só colheremos ódio e contenda. Porém, se nossa atitude com o próximo for amorosa, e com brandura falarmos sobre integridade, o outro ainda continua tendo o livre arbítrio para aceitar ou não o que estamos dizendo, mas as chances de dar certo são muito maiores. Plante a Torá em amor, para que os frutos sejam deleitosos.

© 5776 – Qol haTorá (www.judeu.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Castelos de Areia (Pv. 19:4)

הוֹן–יֹסִיף רֵעִים רַבִּים וְדָל מֵרֵעֵהוּ יִפָּרֵד

“As riquezas granjeiam muitos amigos; mas do pobre o seu próprio amigo se separa.” (Mishlê/Provérbios 19:4)

Os últimos meses no Brasil têm sido bastante tensos, em virtude da crise financeira. Muitos dos que foram afetados se sentem mal, não apenas pela crise propriamente dita, mas sim pelo fato de que os amigos rapidamente se afastam daquele que está em dificuldades. Num primeiro momento, isso pode ser bastante doloroso. Afinal, sentir-se sozinho e sem recursos é algo árduo. No entanto, quando essas amizades se vão, assim como outras coisas nas quais depositávamos nossa confiança, como castelos de areia ruindo, podemos perceber a limpeza que o Eterno produz em nossas vidas, para nos refinar e nos alertar, a fim de que estejamos mais atentos aos sinais negativos. Não perca tempo se lamentando porque pessoas tóxicas, ou situações incertas, se foram, antes, concentre-se no Criador, e Ele te conduzirá pelo caminho da restauração.

© 5776 – Qol haTorá (www.judeu.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

No Meio das Trevas (Gn. 1:5)

וַיַּרְא אֱלֹהִים אֶת-הָאוֹר כִּי-טוֹב; וַיַּבְדֵּל אֱלֹהִים, בֵּין הָאוֹר וּבֵין הַחֹשֶׁךְ

“E Elohim chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E anoiteceu e amanheceu: o primeiro dia primeiro.” (Bereshit/Gênesis 1:5)

Você já se sentiu envolto em trevas? Perdido, de modo a não conseguir enxergar o caminho? Não à toa, as Escrituras começam o relato da criação falando das trevas; O primeiro dia surgindo com a criação da luz. Há nisso uma mensagem muito importante: Não há escuridão que não seja seguida por luz. Quando se está no meio da noite, é difícil contemplar uma saída para a escuridão. Por isso esse ensinamento é tão importante: Mesmo se você ainda não vê saída, saiba que tão certo quanto vive o Eterno, a escuridão é sucedida pelo amanhecer. Da mesma forma que um novo dia trouxe nova criação, o amanhecer também trará novas circunstâncias, e uma vida diferente. Confie no Eterno, até que a luz comece a despontar.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Usando a Bíblia de forma nociva (Jr. 31:34)

כֹּה אָמַר יהוה נֹתֵן שֶׁמֶשׁ לְאוֹר יוֹמָם חֻקֹּת יָרֵחַ וְכוֹכָבִים לְאוֹר לָיְלָה; רֹגַע הַיָּם וַיֶּהֱמוּ גַלָּיו יהוה צְבָאוֹת שְׁמוֹ

“E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei a ADONAY; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz ADONAY; porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados.” (Yirmiyahu/Jeremias 31:34)

O principal objetivo do Eterno é ser por nós conhecido. Tanto que adquirir conhecimento dEle é o primeiro dos 613 mandamentos da Torá. Ler a respeito do que alguém fez a um terceiro pode ajudar no conhecimento, mas não é suficiente. É preciso que haja um conhecimento que vem de um relacionamento, do dia-a-dia. Quem você apresentará a seus filhos: Uma Divindade que agia quatro mil anos atrás, ou o Eterno, que age com você no dia-a-dia? A Bíblia não pode ser sua única fonte de experiência. É importantíssimo contar e anotar, e se lembrar, regularmente de tudo aquilo o Eterno fez não só para nossos pais, mas para você. Até mesmo algo tão extraordinário como a Bíblia pode ser ruim se usado para fins errados. E nada deve substituir a lembrança do que o Eterno fez e faz por você, pois além de te fortalecer nas horas de angústia, servirá de firme fundamento para seus filhos.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Difícil Escolha (Dt. 28:3)

בָּרוּךְ אַתָּה בָּעִיר וּבָרוּךְ אַתָּה בַּשָּׂדֶה

“Bendito serás na cidade, e bendito serás no campo.” (Debarim/Deuteronômio 28:3)

Como é difícil estar diante de uma situação na qual se pode ir para a esquerda, ou para a direita! O que fazer? Como agir? Muitas pessoas ficam paralisadas diante de uma escolha, esperando que o Eterno revele qual o caminho a ser tomado. Porém, o Eterno não age assim, pois maturidade implica em saber escolher e se responsabilizar pelas suas escolhas. Se você confia no Eterno e tem com Ele uma aliança, se fez dEle o seu Senhor, então o caminho que você escolher, Ele abençoará. E se houver armadilhas, confie que Ele te desviará de todas elas. O Eterno não abençoa quem fica parado diante da indecisão, mas sim quem confia nEle o suficiente para saber que Ele abençoará todas as tuas veredas. Como diz a Escritura acima, onde você estiver, Ele te abençoará.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Relacionamentos (Pv. 17:17)

בְּכָל-עֵת אֹהֵב הָרֵעַ וְאָח לְצָרָה יִוָּלֵד

“Em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão.” (Mishlê/Provérbios 17:17)

Problemas familiares, ou com amizades, são coisas muito comuns de acontecer no nosso cotidiano. Porém, observe como o texto da Escritura diz que o irmão nasce na hora da angústia. O brasileiro é um povo muito amistoso, mas de relacionamentos extremamente superficiais, e isso gera muita decepção. Mas se você enfrenta tais situações, não fique triste! Saiba que muitas vezes as adversidades vêm justamente para servirem como uma depuração de nossos relacionamentos, e nos mostrar quem realmente se importa conosco. Se isso te acontecer, não se desespere, nem se surpreenda. Antes, procure olhar ao redor, e veja quem realmente te ofereceu o ombro e te estendeu a mão. Esse é o irmão que o Eterno colocou na sua vida, um anjo do Senhor que trouxe consigo a mensagem de que você tem valor. Não perca tempo com quem te vê de forma utilitária ou meramente casual. Investir emocionalmente nessas pessoas só trará angústia e dor, ao passo que aproximar-se daquele que realmente te apoia na angústia certamente pavimentará a sua felicidade.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Distante do Criador (Dt. 4:29)

בִקַּשְׁתֶּם מִשָּׁם אֶת-יהוה אֱלֹהֶיךָ וּמָצָאתָ כִּי תִדְרְשֶׁנּוּ בְּכָל-לְבָבְךָ וּבְכָל-נַפְשֶׁךָ

“Então dali buscarás a ADONAY teu Elohim, e O acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma.” (Debarim/Deuteronômio 4:29)

É comum sentir-se como se o Eterno estivesse distante? Porém, a Torá nos ensina que esse distanciamento é artificial. Quantas vezes você respirou enquanto lia esse versículo? Até o ato da respiração só é possível porque o Eterno soprou sobre nós o Seu Espírito, e nos deu a vida. Quando nos sentimos distantes do Criador, é porque nós dEle nos afastamos. Seja porque ficamos aborrecidos por Ele não nos dar o que desejamos, nos esquecendo de que Ele é Senhor e não servo, ou porque acabamos dando mais importância às questões cotidianas. A boa notícia, contudo, é essa: Nada está perdido! Na fração de segundos na qual você voltar o seu coração para o Criador, abrindo-se para Ele, você será novamente inundado pela doce presença do Altíssimo em sua vida. Foque-se nEle, pois o restante desta vida é acessório.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

O Melhor e o Pior (Sl. 25:7)

חַטֹּאות נְעוּרַי וּפְשָׁעַי אַל-תִּזְכֹּר כְּחַסְדְּךָ זְכָר-לִי-אַתָּה לְמַעַן טוּבְךָ יהוה

“Não te lembres dos pecados da minha mocidade, nem das minhas transgressões; mas segundo a tua misericórdia, lembra-te de mim, por tua bondade, ADONAY.” (Tehilim/Salmos 25:7)

O salmista pede ao Eterno que seja misericordioso ao se lembrar dele. Isto é, que o Eterno não pense nos pecados dele, nem se lembre de suas falhas. Ele deseja que o Eterno veja o que há de melhor nele, e não o que há de pior. Todos nós temos as nossas qualidades e nossas dificuldades. No entanto, é muito comum que nós sejamos benevolentes com as nossas falhas, e implacáveis com as falhas do próximo. Você deseja que o Eterno veja o seu melhor. Por que, então, ver o que há de pior no próximo? Busque ver o que há de melhor no próximo, e até mesmo aprender com ele. Não seja rápido em considerar alguém como iníquo, sem que para isso haja realmente uma razão grave. Se descartarmos a todos por suas falhas, também iremos nos privar de desfrutarmos suas virtudes.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.

Paz e shalom (Sl. 4:9)

בְּשָׁלוֹם יַחְדָּו אֶשְׁכְּבָה וְאִישָׁן כִּי-אַתָּה יהוה לְבָדָד לָבֶטַח תּוֹשִׁיבֵנִי

“Em paz também me deitarei e dormirei, porque só tu, ADONAY, me fazes habitar em segurança.” (Tehilim/Salmos 4:9) (4:8* em algumas Bíblias)

Geralmente as Bíblias traduzem shalom como paz. Contudo, a paz que pensamos hoje, no Ocidente do século XXI, é muito diferente do que se chamava de shalom nos tempos bíblicos. Costumamos pensar em paz como tranquilidade e paz de espírito. Para os semitas, porém, ter shalom significava ter plenitude. Era ter a certeza de que teriam alimento ao fim da colheita, e que suas terras não seriam invadidas, que sua posteridade seria próspera e que teriam segurança. Não era necessariamente ter tranquilidade a todo momento, mas sim a certeza de que o Eterno lhes daria provisão de todas as coisas. Talvez você tenha dias angustiantes, estressantes e cansativos. Mas aquele que serve ao Eterno tem a certeza e a segurança de que Ele tomará conta de todas as coisas. Se pensarmos em tudo que já nos ocorreu, mesmo em meio à tribulação, podemos ter a certeza de que Ele nos dará plenitude, e que a plenitude nos conduzirá à paz.

© 5776 – Qol haTorá (www.qol-hatora.org) – Permitida a reprodução se os créditos forem mantidos.